O Carnaval E As Máscaras do Eu

Psicoterapia Holística

A origem do Carnaval é milenar. 

Deriva das mais variadas culturas em seus ritos primaveris, posteriormente incorporados ao calendário miscigenante e conciliador da igreja romana.

Uma das características interessantes destas manifestações é o uso das máscaras, que mais do escondem, igualmente expõem as tendências ocultas ávidas por se exteriorizar.

    É obrigação de todo Terapeuta Holístico compreender a “linguagem” do inconsciente e esta passa necessariamente pelo estudo dos símbolos e arquétipos, o que implica em conhecer as lendas, os rituais e as manifestações culturais das mais variadas sociedades.

    Neste contexto, nada mais natural que analisemos o Carnaval, carnem leváre, carne levare, ou seja, abstenção de carne, em analogia aos 40 dias de abstinência que se seguirão, a chamada “quaresma” da religião católica, período que se atribui ao de Jesus de Nazaré, em preparação ao seu enfrentamento às tentações.

    A chamada “Quarta-Feira de Cinzas” nasce do ritual de sinalizar com cinzas a testa dos fiéis que se preparam para jejuar, lembrando-os de que tudo é transitório e que devemos retornar ao “pó” original.

    Os ritos de final de inverno, início de primavera (esperança e renascimento após um longo e difícil período...) correspondia ao mês de dezembro (porção Norte de nosso planeta...).

    Outrossim, com a inclusão de dois novos meses em homenagem aos imperadores (Julho - Júlio Cezar e Agosto - Cezar Augusto...), somado à conveniência política de vincular à quaresma, os festejos se transferiram para fevereiro, perdendo sua característica de comemoração ao ano novo.

    Das várias divindades “pagãs” relacionadas aos rituais da primavera, a que melhor se adequada ao atual espírito carnavalesco é Baco (Dioníso),

    Ele é o deus do paroxismo, ou seja, ele conduz a conhecer nosso lado oculto, simplesmente vivenciando-o... 

    E é exatamente isto que muitos fazem neste período.
    Saciando desejos ocultos e reprimidos, não raro, envolvendo libertinagem, violência e várias formas contrárias aos valores estabelecidos pela classe dominante. 

    Trata-se de uma catarse coletiva, uma “válvula de escape”, sob relativa tolerância da sociedade, visto que são manifestações limitadas no tempo e espaço.

    Certos historiadores associam o uso de máscaras e fantasias como forma de ocultarem as verdadeiras identidades.

    Desta forma, evitam represárias após findo o período de inversão de valores, onde escravos se faziam de senhores e a oposição criticava a situação. 

    Do ponto de vista simbólico, esta tradição tem raízes bem mais profundas e atemporais. 

    Ao invés de ocultar, as máscaras servem justamente para despertar em quem as usa, as características ocultas e que são tradicionalmente atribuidas ao ser personificado. 

    Ritualisticamente, nas mais variadas culturas, o uso de uma máscara precede a intensas preparações.
    Eram jejuns, rezas, meditações, objetivando que os atributos evocados não venham a sobrepujar o “eu” do usuário.

    Modernamente, a Psicoterapia Junguiana preconiza que é salutar que utilizemos de várias “máscaras”, várias “personas” as quais evidenciam e/ou inibem certas características pessoais, de forma a que nos adaptemos aos vários papéis que desempenhamos na sociedade. 

    Sempre devemos observar que nosso “eu”, nosso “Self” é muito mais do que uma ou mesmo que a soma de nossas “personas”. 

    Identificar-se exclusivamente com uma de nossas “máscaras” é limitar nosso desenvolvimento e bloquear nossa auto-realização. 

    A Terapia Holística nos auxilia a (re)conhecer a vasta gama de “máscaras” que assumimos, a “pulsar” entre elas, de acordo com as necessidades e a compreender-nos como sendo muito além do que os papéis que exercemos na sociedade.

    Eis alguns exemplos típicos, com os quais certamente, todos já nos deparamos:


    Todo mundo deve ter conhecido alguém que vista a “máscara” de MÃE, 24 horas por dia... 

    É mãe dos seus filhos (tudo bem...), é “mãe” do seu marido, ou namorado (hum....), “mãe” de seus colegas de trabalho (opa...). 

    Claro que tal fixação resultará em sérios problemas nas situações em que as “personas” de amante e de amiga seriam bem mais felizes... 

    Imagine também a figura do “militar”, que assim age com seus subordinados no quartel, mas que da mesma forma continua fora do expediente, distribuindo suas ordens ao cônjuge, filhos, amigos... 

    Ou, como autocrítica sadia a nós mesmos:

    Aqueles que são Terapeutas Holísticos dentro e fora do consultório, seja com Clientes ou não, e ficam analizando a todas pessoas que encontram...

    Identificar-se com apenas uma de nossas “personas” é uma fuga de nosso verdadeiro “eu”.

    As máscaras são simbolos de identificação. 

    Por apropriação “mágica”, seja na aparência e/ou comportamento e poderes, o usuário desperta de si as características que projetava na figura representada. 

    Ferramenta de adaptação, recurso de defesa psíquica, todos nos mascaramos em nosso dia-a-dia e o único e verdadeiro risco é o de se apegar aos papéis que exercemos.

    Temos que sempre lembrar que somos atores de uma obra bem mais vasta: a nossa jornada de autoconhecimento.

 

Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001, é autor de diversos livros da profissão.

Destaques da Edição