O que o guarda-chuva faz depois da tempestade ?

Terapia Floral

Os colegas mais antigos de Profissão bem lembram de como era (tentar…) trabalhar com as nossas técnicas. Somente os idealistas tinham coragem, pois era certeza de prisão.

 

Nos períodos ditatoriais da história de nosso país, os “não-médicos” sofriam perseguições semelhantes às de dissidentes políticos.

 

Mesmo após o fim da ditadura e do advento na Constituição de 1988, quando até mesmo os últimos exilados retornaram ao Brasil, a nossa Profissão continuou sendo perseguida. Afinal, ainda que as leis tivessem evoluído, as “autoridades” (policiais, promotores, juízes…) ainda eram os mesmos de antes e que ainda julgavam com a mente do período militarista.

 

 

Justificadamente indignados com a situação, nos anos 90, inúmeros grupos idealistas se uniram para dar um basta. Simultaneamente, foram criadas associações em prol da causa, das quais se destacaram o Conselho Federal de Terapia, o Conselho Regional de Terapia, e, até mesmo, autarquias municipais, como o Conselho Federal de Terapia Holística, fundado em Novo Horizonte. Cada qual seguindo um caminho diferente, todas contribuíram dignamente para consolidar a nossa Profissão.

 

Muito à frente de seu tempo, estas organizações não foram compreendidas pelos grupos corporativistas da saúde (ou será que compreenderam bem demais, por isso, tamanha reação...), à época, e sofreram duras perseguições.

 

Paralelamente, uma entidade se colocou à frente do campo de batalha, assumindo para si, todas as lutas, todas as causas judiciais, defendendo a Terapia com a mesma ferocidade com que tentavam findar a Profissão: o SINTE - SINDICATO DOS TERAPEUTAS transformou-se no escudo que protegeu a TODOS !

 

Enquanto os “deuses” da medicina e seus aliados despejavam sua fúria ensandecida, com raios e trovões judiciais, com furacões de manobras políticas e calúnias contra as técnicas por eles chamadas de “alternativas”, o SINTE enfrentou a tudo e a todos, protegendo, tal guarda-chuva divino em tempestade, tanto os Profissionais, quanto todas as demais entidades.

 

A verdade histórica é que, se não fosse o SINTE - SINDICADO DOS TERAPEUTAS, a nossa Profissão teria deixado de existir já nos anos 90, pois teria sido proibida e as técnicas, incorporadas pelas demais áreas concorrentes.

 

Ou seja, se podemos exercer, nos dias de hoje, com dignidade e segurança, as atividades que tanto amamos, tudo isso se deve ao SINTE !

 

Foram mais de duas décadas, em que, todos  os Profissionais, protegidos sob o manto do SINTE, nem sequer sofreram respingos de tamanhas tempestades que o sindicato venceu.

 

Desde os anos 2000, graças à proteção e ações do SINTE - Sindicato dos Terapeutas, sejam judiciais, sejam via meios de comunicação em massa, fato é que não há mais perseguições. O sol brilha, a paz reina…

 

Guerreiro, escudo divino, exército salvador, guarda-chuva fiel, o que faz o SINTE, agora que as tempestades cessaram, que as guerras foram vencidas e nada mais é preciso conquistar ?

 

Por mais que o “guarda-chuva” nos tenha salvo, é justo lhe permitir o merecido descanso, que seja bem guardado e deixado ao alcance das mãos (melhor garantir, vai que volte a “chover”, em algum futuro distante…). A guerra foi vencida; é o momento de dispensar o exército e nos concentrar em reconstruir a nação holística.

 

Justamente por não ser mais necessário guerreiros, nem exércitos, o SINTE, de livre vontade, gradativamente transmitirá seus recursos, sua experiência e a credibilidade conquistada nestas mais de duas décadas, ampliando cada vez mais a parceria já faz muitos anos estabelecida junto ao CRT - Conselho de Auto Regulamentação da Terapia Holística.

 

Burocraticamente, para quem já conquistou sua CRT, nada muda; pelo contrário, haverá até redução de custos, já que o SINTE abrirá mão de receber a GRCSU, além de outras medidas em estudo, que contribuirão para que VOCÊ receba mais benefícios, sem ter que investir a mais por isso.

 

Muitos colegas nos tem consultado, ansiosamente desejosos em obter o Novo Design de CRT - Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado, que será oficialmente lançado no Holística 2015, nosso Congresso anual, em setembro.

CRT é o ideal em tempos de paz

Ambos os modelos de CRT são igualmente válidos e conviverão nos próximos meses. Conforme forem ocorrendo as renovações naturais das Carteiras, estas já serão confeccionadas no padrão mais moderno.

 

SINTE e o CRT sempre foram e continuam organizações irmãs. Agora, em plena paz, é chegado o momento dos holofotes voltarem aos ideais que começaram faz quase 30 anos: a consolidação do CONSELHO de nossa Profissão !

 

Sem vínculos políticos, sem nenhuma lei que obrigue, nosso CONSELHO é de Auto Regulamentação, o que valoriza ainda mais os Profissionais CREDENCIADOS.

 

Afinal, ainda que a “marca” SINTE seja a mais valorizada perante os Profissionais, nossas pesquisas junto aos Clientes que nos contatam, concluíram que, para a sociedade, o diferencial que VALORIZA é a “marca” CRT

        

        É natural que assim seja, pois, a Clientela não conhece a História da consolidação do setor holístico, razão pela qual, a imagem que transmite maior CREDIBILIDADE e SEGURANÇA é a de que seu Terapeuta seja Credenciado por um CONSELHO, do que dizer que ele é, simplesmente, um “sindicalizado”, termo este que vem deixando de ser bem visto, devido aos desmandos do “movimento sindical” brasileiro, nos últimos anos…

 

        Enfim, se algum dia, no futuro, uma tempestade ameaçar a nação, pode ter certeza que o exército do SINTE se fará presente, protegendo a todos os colegas com seu histórico e experiente guarda-chuva…

 

        Enquanto isso, VOCÊ, colega de Profissão, aproveite bem estes anos de paz e os tempos de sol, fique à vontade em usufruir de seu Credenciamento junto ao CRT - Conselho de Auto Regulamentação da Terapia Holística.

 

Henrique Vieira FilhoHenrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001, é autor de diversos livros da profissão, ministra aulas na CEATH - Comunidade de Estudos Avançados em Terapia Holística.  contato@sinte.com.br (11) 3171-1913

 

Destaques da Edição